Pular para o conteúdo principal

Monografia

De alguns anos para cá, exige-se dos graduandos que façam uma monografia. Mas, como tudo no Brasil, essa exigência costuma virar pizza. Aqui há indicações para que este trabalho seja sério.

Muitos professores lamentam que, na apresentação de trabalhos finais de curso (monografia, TCC – ou outro nome que se dê), os alunos reúnem o material às pressas pegando ideias e projetos dos outros sem dar crédito de autoria ou fonte... Ou não conseguem fazer no tempo previsto, adiam indefinidamente... Ainda pior: compram de alguém o trabalho, ou apresentam um trabalho rustido de alguma forma. A raiz do problema? De um lado, são alunos não têm confiança suficiente em si, por reconhecerem que não foram devidamente preparados para a messe; de outro lado, as instituições, de fato, não preparam mesmo – e depois cobram! E mais, os orientadores que fazem vistas grossas para as fraudes ou aceitam qualquer embromação da tarefa: sobrecarregados e nem tão bem pagos, ainda têm um “compromisso” com a aprovação, pois os números a serem apresentados são importantes em sua carreira!
A monografia depende de arquivar muitas informações e depois processá-las.
A organização do trabalho é a
base do sucesso na monografia.
Arquive tudo, salve tudo.
Para quem não recebeu a preparação adequada, ou faltou algo, aqui está uma tentativa de suprir as lacunas, numa tentativa algo quixotesca: o aluno que não teve a oportunidade de aprender onde deveria e que se aplica a resolver o problema por conta própria, precisa de subsídios. Antes encontre um blog que o auxilie na tarefa que outro que lhe ofereça a venda do trabalho pronto!
Abaixo são fornecidos elementos úteis para a elaboração de uma monografia.

A fase de preparação

Escolha do tema

A fim de obter um bom resultado, é aconselhável organizar o trabalho desde os primeiros meses do ano letivo, escolhendo entre os vários assuntos que despertam curiosidade ou interesse. Grave erro é adiar a escolha até que tenha concluído o programa de todas as disciplinas, não só porque você pode chegar à última hora sem estar engajado num assunto, mas porque isso privaria a chance de aproveitar as oportunidades para quaisquer ligações a partir de temas discutidos em classe em assuntos diferentes.
Para uma feliz escolha do temam é fundamental questionar sobre seus interesses e iniciar logo que possível para encontrar o material necessário, dedicando-se às leituras que formam a base do TCC. Também será necessário encontrar professores orientadores disponíveis e como em tudo na vida, os mais interessantes são os mais procurados!

Levantamento bibliográfico preliminar

É realizado, com a ajuda dos professores, por meio de manuais, artigos, revistase o santo que faz todos os milagres ultimamente: Google. Aprenda a fazer o levantamento bibliográfico em cadeia: procure um artigo sobre o tema que despertou interesse, ou pegue algum que já tenha lido; a partir das referências de um, encontre outros que poderão ser interessantes... E assim, sucessivamente! O conhecimento é assim mesmo: uma cadeia de saberes e de dizeres que você precisará penetrar.
Use um programa que possibilite processamento de bibliografia e de referências; provavelmente, você já tem um em seu computador que faz isso, chama-se Word! Sim, o editor de textos mais comum de todos faz isso! E dá saída por todas as normas necessárias, inclusive a famigerada ABNT, se você usar um programinha complementar.
Mas o importante está aqui: lance todos os textos que você encontrar e julgar que podem ser uteis. Todos, desde o primeiro, um a um... Senão, logo você perdeu uma referência, esqueceu outra... Não adiante: tem que ser metódico e, sendo metódico você ganha tempo e qualidade.

Anote todo o material coletado

Tanto você pode usar um arquivo de computador (eu prefiro), quanto um caderno mesmo. Destina-se a armazenar cada etapa da pesquisa (incluindo o que inicialmente parece desinteressante, mas pode ser útil mais tarde), então você pode facilmente encontrar, mesmo depois de meses, obras de arte, documentos, sites, etc. Para este efeito, recomenda-se um grande caderno, cada uma das páginas será dedicada a um único trabalho ou documento ou artigo, no início de cada página anote a referência curta – deixe os dados completos para o computador, senão você vai errar aquele enorme link – para isso existe copiar-colar.

Formule um problema

O que você quer estudar? Qual a relevância disso? Quais serão as contribuições que advirão de sua proposta. É tudo muito inicial, mas você deverá apontar os objetivos do trabalho. Muitos requerem que os objetivos sejam subdivididos em um objetivo geral, mais amplo e uma pequena lista de alguns objetivos específicos.

Formule uma hipótese de trabalho, sob a forma de esquema

Hipótese nada mais que que uma explicação prévia para o problema, uma solução imaginária para ele. Para evitar perder tempo e energia, cada entrada na lista esquemática já vai sendo imediatamente ligada às respectivas referências. A espinha dorsal do esquema coincidirá com o índice.
Releitura do esquema
Releia com frequência e vá modificando, acrescentando e cortando tópicos. Assim você poderá assegurar a coerência da abordagem. Se após esta fase do trabalho, percebe-se que o projeto é fraco ou, quando se verificar que não é possível estabelecer as conexões desejadas, é ainda momento apropriado para reformular a programação ou até mesmo mudar o tema bem no início.

O primeiro rascunho

Todas as partes constituintes da monografia serão processada durante o primeiro rascunho, e durante cada versão sucessiva que for sendo impressa ou apresentada; sempre conterão:
  1. capa;
  2. folha de rosto (a partir de onde se começam a contar as páginas, mas a numeração não aparece ainda...);
  3. [não é hora de epigrafes, dedicatórias e outras páginas introdutórias];
  4. sumário (o grande esquema);
  5. introdução: diga o que você quer fazer, venda sua ideia;
  6. quadro conceitual;
  7. texto, dividido em capítulos e parágrafos
  8. conclusão (ainda não vai existir, mas pode reservar o lugar para ela!) o capítulo final será criado no final;
  9. referências (o Word fará essa tarefa para você, direitinho, automaticamente, se você tiver inserido todos os dados desde o início, como recomendei;
  10. glossário (opcional), mas pode ir sendo criado desde o início.

O texto da monografia

A introdução

Na introdução, são inseridas as indicações de conteúdo, resumidas sobre as relações entre as diferentes partes do texto e apresentada uma notícia sobre o método de trabalho adotado (ou a ser adotado!). A introdução pode ser feita no final do trabalho, mas é aconselhável rascunhá-la já no início, a fim de verificar a integridade das informações e a clareza de suas ideias. Ao escrever a introdução, você deve garantir que seja:
  1. curta, para não cansar o leitor e para evitar a repetição do que será explicado em vários capítulos, ela não deve exceder duas a quatro páginas;
  2. clara, tendo em mente que a introdução talvez seja a única parte do texto que certamente será lida na íntegra por muita gente; depois você pensará o que separar ou repedir de modo condensado no resumo;
  3. interessante.

É recomendável antecipar quaisquer aspectos significativos e originais da monografia. Por exemplo, se durante a investigação de materiais nos deparamos com dados interessantes, que não são encontrados comumente em livros, você deve indicá-los na introdução para despertar curiosidade no leitor e incentivá-los a continuar lendo.
No final da introdução pode ser útil para colocar um mapa conceitual, onde as palavras-chave estão ligadas estritamente de acordo com a ordem e a lógica por trás da elaboração da monografia, mesmo com a ajuda de sinais matemáticos, setas, quadros, etc. O mapa conceitual, que deve ser limitado a uma única página, pode ser impresso e entregues ao orientador para que ele mais facilmente perceba a completude da ideia.

Conselhos relativas ao conteúdo da monografia

A composição de um bom texto requer um trabalho bastante complexo que deve levar em conta vários aspectos. Para maior clareza, vamos sugerir alguns comportamentos e operações relacionadas a conteúdo.
Para a elaboração dos capítulos que compõem o texto, que recomendamos:

  • Atenção aos títulos dos capítulos ou subseções, a fim de despertar o interesse de quem lê: é aconselhável usar estilo nominal e a palavra-chave do tópico. Títulos curtos são mais fortes e cheios de significado.
  • Escreva desde o início de modo claro e preciso, mas sem querer alcançar perfeição imediatamente: deixe a escrita fluir. Você não deve diminuir o ritmo de escrita em nome da qualidade do texto, para não interromper o fluxo de ideias, especialmente desde que, após o primeiro rascunho virá o segundo, o terceiro e os seguintes. Depois, ainda haverá as correções do orientador e tem que ter o trabalho de um revisor profissional quando a redação estivar concluída, para garantir a excelência do texto.
  • Lembre-se de atualizar o índice (automaticamente, pelo Word!), cada vez que você fizer adições ou modificações do conteúdo ou da estrutura da monografia.
  • As transcrições e citações diretas, que sejam estritamente respeitosas ao texto original (quaisquer omissões devem ser devidamente relatadas), devem ser incluídas entre aspas e seguidas da indicação da fonte entre parênteses. A indicação da fonte é obrigatória, mesmo se você insere na monografia gráficos ou ilustrações de livros, revistas, CDs, sites da Internet.
  • Se você preferir, para as citações, você pode criar notas de rodapé (também é automático no Word, claro). Isto torna mais fácil para os leitores a distinguir o que foi relatado por uma fonte e o que é o resultado de sua reformulação do pessoal.
  • Notas de rodapé também podem ser criadas para explicar o significado de termos técnicos. Se o número de tais notas superior a dez, você pode escolher colocar (em ordem alfabética) todos os termos que exigem uma especial explicações de glossário.
  • Se o trabalho for argumentativo, mostra (ou pelo menos tentar) uma teoria mais ou menos complexa, é conveniente que o último capítulo seja formado pela conclusão. Ela vai somar os resultados da investigação apresente o que você queria provar.
Essas são indicações iniciais, básicas; explore nosso blog e outros sobre o assunto.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Cálculo dos preços para revisão e formatação de textos acadêmicos. Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda, remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar.
Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. Assim, nossa lauda quase corresponde ao número de páginas do trabalho acadêmico usual. Mas muitos fatores interferem: quantidade de imagens, notas de rodapé, por exemplo. Com…

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem.
Dependendo do número delas e dos seus tipos, a numeração pode ser por cada tipo (Foto 1, Foto 2... Tabela 1, Tabela 2...) e também pode a numeração fazer referência ao capítulo em que o elemento gráfico foi inserido (Foto 2-1, Foto 2-2...); as alternativas ficam abertas à adequação de cada caso.
Várias são as possibilidades atuais de introdução de ilustrações no texto. A disposição das ilustrações pode se subordinar à sua natureza, ao texto ou à exigência de destino do trabalho, com amplas possibilidades.
Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da il…

Referências pela ABNT para Word

O Word faz para você o controle e a formatação das citações, por qualquer norma, inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado. As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam esses serviços. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa. Sim, vou ser bem claro: o Word faz as referenciações das citações (dire…

Estrutura da tese de doutorado - ou da dissertação de mestrado

A estrutura sugerida de tese pode ser observada em outra tese; quem faz um doutorado há de ter lido várias teses e visto como deve ser, mas aqui se faz a abstração dessa estrutura. Trata-se de um modelo idealizado. Os elementos sugeridos abaixo são adequados para uma tese experimental ou teórica. Em alguns casos, um ou dois deles podem não ser aplicáveis. Verifique o que é adequado a seu caso. Claro que tudo isso serve também para a dissertação, mas em ponto menor.
Estas sugestões aqui são muito importantes: Faça uma lista para pontos do que serão alocados em cada capítulo. Tente fazer essa lista bastante detalhada, coloque pontos que correspondam às seções ou parágrafos da tese em redação. Não precisa colocar todos os pontos de primeira, a lista vai crescendo – à medida em que as ideias surgem – e diminuindo – quando os pontos listados, alcançados, forem sendo cortados. Nessa fase, pode ser difícil pensar a lógica de apresentação dentro dos capítulos, muitas vezes é possível apresen…

Referências no texto acadêmico

Antigamente, colocava-se ao fim de cada trabalho escrito uma bibliografia. Com advento de novas mídias, passou-se a usar o termo referências bibliográficas para a listagem de obras consultadas. Atualmente, a recomendação é usar apenas a expressão referências, pois elas pode ir bem além das obras livrescas. Mas ainda se deve se distinguir o que normalmente se confunde: Referências são o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO). Bibliografia é o conjunto de obras (livros) pesquisadas a que o leitor pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho. “Documento que apresenta lista de referências bibliográficas, usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos. Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO). Em geral…