Pular para o conteúdo principal

Livros sobre o revisor e a revisão de textos

Disponíveis: livros para revisores sobre revisão

Revisores de textos gostam de compartilhar experiências! É o que estamos fazendo. Acabamos de publicar duas alentadas obras sobre a revisão de textos e sobre o trabalho dos revisores. Tratamos bastante da incipiente teoria sobre o assunto e expusemos muita experiência nossa! Conheça nossa obras, estão disponíveis em versões físicas e em PDF (mais em conta).
Novos livros publicados sobre revisores e revisão de textos.
Há muito mais sobre revisão de textos e sobre revisores que se pode supor. Leia nossos livros!

Revisão de textos: interferência e intercessão.

Resumo da obra

Revisão de textos: interferência e intercessão. O conjunto de interferências efetuadas pelo revisor tem que estar perfeitamente contextualizado; tudo que for possível ou necessário deve ser discutido com o autor para ficar evidenciada sua significação intencional, de tal sorte que nenhuma alteração seja proposta sem que para ela haja explicação linguística satisfatória; cada interferência alterna nos textos deve estar ligada às práticas de linguagem: a fala ou a escuta, a leitura e a produção de textos; a revisão deve também refletir os constantes avanços dos estudos linguísticos e estar sujeita ao processo contínuo de crítica. Apresentaremos dois modelos cognitivos para as interferências textuais conhecidas como revisão. O primeiro consiste na especificação dos processos de revisão e compreende dois componentes: (i) o processo de revisão propriamente, que inclui a leitura para avaliar, a seleção de estratégias e a execução da revisão (cognição ativa), e (ii) os conhecimentos que intervêm no processo, que incluem competência linguística formal, critérios de planificação e de definição de gêneros textuais, representação do problema e procedimentos de revisão (cognição passiva). O outro modelo enfatiza o papel da metacognição e da memória no processo de revisão e integra também dois componentes: (i) o contexto da tarefa, compreendendo as dimensões retórica e pragmática – assunto, público-alvo e importância – e a representação do texto realizado em processo de revisão nos elementos discursivos e léxico-sintáticos (cognição frástica); e (ii) o sistema cognitivo-metacognitivo, que se divide em memória a longo prazo e memória de trabalho (cognição mnemônica). Quando se tenta definir a revisão listando todas as tarefas da disciplina: melhorar a terminologia, clarear as passagens, aperfeiçoar as construções, ajustar a carga emocional do texto original à especificidade do leitor, garantir a coerência em diversos aspectos e em diferentes níveis ou campos textuais e semânticos, assegurar a ortografia, a gramática, o registro e a consistência de gênero, fica bem clara a distinção entre correção e revisão, parecendo que o revisor é um pouco de tudo, geralmente sendo mais que o autor tem conhecimento de que ele seja. A formação do profissional do texto centra-se, ainda, nos postulados e manuais linguísticos e editoriais de praxe, visando construção da proficiência para o trabalho, com a aquisição de competência gramatical, e caracterizando o processo de revisão textual como “fiscalização” das inadequações gramaticais subjacentes aos escritos, sem refletir sobre suas implicações na construção e manutenção da textualidade e dos objetivos propostos, limitando o campo de atuação e a competência desse revisor textual à moda antiga. A norma editorial, essa cruz na vida do revisor, é sempre a interpretação que a pessoa responsável pela edição do texto faz: quando se trata da tese, e.g., primeiro a norma tem que ser o que o orientador pensa ela seja; depois, é necessário que o texto esteja de acordo com o que alguma bibliotecária deseja ver; por fim, é necessário que o volume esteja de acordo com a interpretação da pessoa encarregada de receber a tese em depósito! Sempre é bom lembrar que, no contexto da atividade de revisão de textos, quando nos referimos à revisão especializada, o revisor é especialista em um gênero textual – não no conteúdo material que o texto apresenta. O revisor também é animal cultural, pois a revisão faz a transição da cultura de um (o autor) para outra cultura de outro (o leitor), e, como todos fazem parte da sociedade, revisão tem a ver a comunicação entre as pessoas que são parte da comunidade. O bom revisor de textos está ciente de que o objetivo da revisão é melhorar a qualidade da redação e, assim, seu papel de revisor é colaborativo, identificando os pontos fracos do autor e os erros que ele possa ter cometido, intervindo com consciência e conhecimento de causa, intercedendo como um elo na malha supratextual. A revisão de textos, compreendida como interferência em textos alternos, é composta de diversas sequências de leituras e procedimentos, compreendendo lista extensa de checagem que inclui, mas não se limita a: concordância de pessoa, gênero e número; vozes, tempos e modos verbais; elementos anafóricos e catafóricos; coerência macro, meso e microtextual, concisão, estilo – para mencionar apenas alguns aspectos. O termo revisão, sempre no sentido que ele tem para nós, interferência em textos alternos, permanece atividade ligada à leitura, mas no sentido em que o autor já leu seu texto, e da leitura que será novidade para o revisor; mas, além de nova, ela é agora mais minuciosa, direcionada, perscrutadora: essa leitura estará atenta a um sem-número de fatores aos quais o autor não dá atenção (e talvez não deva mesmo dar!); estamos falando de um novo exame, em que cada letra, cada sílaba, cada som – bem como todos os conjuntos e arranjos possíveis desses elementos, reconsiderados clinicamente, com o sentido da visão metódica, racional que será aplicada sobre todos os ângulos em conjunção à visão empírica que o autor e seus colaboradores e orientadores terão tido do texto.
Livro sobre interferência e intercessão na revisão de textos
Tomo 1 - compre aqui!

Obra contendo parte de nossa experiência como revisores.
Tomo 2 - compre aqui!

Revisor de textos: formação e mediação

Resumo da obra

Esta obra é sobre o revisor de textos profissional, sua atuação, sua formação, sua messe e as relações funcionais de sua jornada de mediação. Inevitavelmente, para evidenciar o revisor, temos que tratar da revisão de textos – sua prática, pois o ofício se define pelo exercício. O revisor é um linguista, para considerar sobre sua natureza, abordamos as atribuições desse desempenho em caráter profissional, caracterizando a função e situando-a em relação a outras funções conexas; em seguida, traçamos o perfil do revisor discutindo as características que lhe são presumíveis e as que são desejáveis e, portando, devem ser desenvolvidas. Nosso passo seguinte é descrever a função do revisor de textos em ralação aos diferentes papéis que ele desempenha em seu campo profissional para, depois, discutir as práticas que caracterizam o ofício e os trabalhos que o revisor realiza no mercado editorial. Passamos, em seguida, a discutir a formação do revisor, apresentando experiências, sugestões de caminhos e de propostas metodológicas para o treinamento do profissional. As questões relativas à mediação profissional do revisor são abordadas em função de seus papéis funcionais, gerenciais e linguísticos, suprindo algumas lacunas que temos identificado na literatura da revisologia.
Livro sobre a formação do revisor de textos.
Compre este livro, leia.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Preços de revisão e formatação acadêmica Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda , remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons ; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar. Para saber com segurança o preço do serviço, solicite um orçamento. Não se deixe impressionar pelo preço baixo na hora de contratar um revisor de textos: pode sair muito caro! Contrate o melhor.  Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. A

Referências pela ABNT para Word

O Word faz o controle e a formatação das citações O programa da Microsoft está apto a trabalhar com várias normas , inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado . Ilumine seu texto revisando e formatando na Keimelion. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa.As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam

Abreviatura, siglas e símbolos

Critérios de uso: siglas e abreviaturas em teses. Abreviatura é a “apresentação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras, usada no tratamento documental”. Evitemos inventar abreviaturas , exceto aquelas que se referirem a elementos conceituais ou referências a obras clássicas repetidas extensiva e intensivamente no trabalho. Segundo recomendação da SOAPQR, evite-se o uso de abreviaturas que não sejam de domínio comum entre os leitores do texto. Entre as mais comuns universalmente aceitas, há: designação de ano ou século em relação à era cristã (a.C., d.C.); a expressão etc. (et cœtera); meses do ano em ilustração, tabelas e referências (jan., fev., mar., abr., mai., jun., jul., ago., set., out., nov., dez.); designações comerciais (Cia., Ltda., S/A, S/C). Siglas criam dificuldades para o leitor, porque exigem que sejam decifradas. A regra é evitá-las, principalmente em títulos, exceto em casos consagrados, como Aids, Bradesco, Embratel, ONU, OLP, USP. Observe-se a

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmico As partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicos A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. O coroamento da pesquisa é a apresentação dos resultados: a tese, sua defesa, a publicação. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

Gráficos e ilustrações integram as teses e dissertações As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem. Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da ilustração e sobre a informação que ela agrega ao texto; se não for realmente pertinente, é preferível descartar; no que se refere aos gráficos, fluxogramas e outros elementos ilustrativos criados para o trabalho, é bom verificar se possuem tamanho e cores adequadas – sóbrias – como convém ao texto científico; as cores que os programas mais usuais de planilha de cálculo usam automaticamente parecem bastante adequadas, não sendo preciso inventar