Pular para o conteúdo principal

Revisão de teses

Diretrizes para a revisão de teses

Toda universidade reconhece o direito de estudantes de doutorado contratarem um revisor para colaborar em uma tese. O mesmo direito se estende a professores e pesquisadores em seus artigos, relatórios e quaisquer outros produtos textuais.
O objetivo deste documento é fornecer orientações para os alunos, orientadores e bancas sobre o que constitui, em nosso entendimento, uma revisão adequada de uma tese ou dissertação – bem como a transação que envolve esses serviços.
O doutorando precisa construir uma relação de confiança com seu revisor.
A revisão do texto da tese será
muitíssimo mais que correr
uma lista de checagem.
Definição – para efeitos pretendidos, a seguinte definição é adotada: revisão de textos é o conjunto de interferências e proposições visando a correção de erros de ortografia, pontuação, gramática, fraseado e todos os mais aspectos linguísticos visando ampliar a comunicabilidade e adequação de um texto a seu fim. Revisão pode incluir a identificação e alertas ao autor das passagens a que a falte clareza, haja ambiguidade ou contradições internas. Revisão de texto também pode se estender a manifestação sobre questões estruturais do texto, retórica e registro linguístico.
Revisão de textos não inclui edição estrutural ou reescrita de passagens, suprimento de lacunas, inconsistências materiais. Reescrever é da responsabilidade do autor.

Orientações para o doutorando

Qualquer estudante, mesmo aquele que não tem preocupações sobre suas habilidades de escrita, deve, logo que possível, fazer contato com o revisor de textos e, na medida em que produza artigos ou textos intermediários, antes da tese propriamente, aprender a interagir e adquirir confiança no trabalho do revisor. Revisão deve ser vista como trabalho de cooperação entre autor e revisor, com possibilidades de aprendizado e evolução na qualidade da produção escrita.
O revisor de textos acadêmicos é capaz de aconselhar sobre as áreas da linguística textual (desde a gramática e ortografia até a legibilidade e credibilidade do texto), apontando aspectos em que pode haver evolução e outros que exigem a mudanças de hábitos.
Para estudantes de doutorado, isso significa que os revisores vão ler várias páginas, às vezes um capítulo ou artigo inteiro, a fim de identificar problemas de escrita. O doutorando aprenderá como corrigir ou evitar esses problemas. Esse tipo de interação, para produzir melhores efeitos, pode levar algum tempo e pode exigir várias releituras, reescrituras. No entanto, com essas habilidades melhoradas, o autor aperfeiçoa muito sua escrita e, ao revisar o texto da tese, as interferências do revisor se limitarão a questões finas, sutis e lapsos. Quando o revisor tem que corrigir erros graves e realmente aplainar os problemas de redação, por melhor que ele seja, não se vai obter um texto de tão boa qualidade ao fim e ao cabo.
Os doutorandos, portanto, também podem e devem desenvolver suas habilidades de escrita pela interação com o revisor, as chaves para o sucesso de escrever na pós-graduação são a contínua escrita e a escrita contígua a quem sabe escrever.
Como dissemos, qualquer universidade reconhece o direito dos estudantes de pós-graduação, bem como quaisquer outros pesquisadores e professores, contratarem serviços de revisão para uma tese ou qualquer outro tipo de produção escrita, antes de ele ser examinado pela banca ou submetido aos pares para publicação. Muitas universidades incentivam as unidades e cursos a manter listas de revisores respeitáveis e experientes que podem ser fornecidos aos estudantes de pós-graduação ou professores. Também os orientadores costumam conhecer bons revisores que podem indicar a seus alunos.
Mas, atenção: bons revisores não são baratos, tampouco costumam estar disponíveis à última hora! Antecipe o contato com os revisores, tanto quanto possível, e reserve recursos para arcar com essa despesa.
O doutorando pode procurar seu orientador para este curso de ação. O principal objetivo da revisão será garantir que o orientador esteja satisfeito que o conteúdo da tese ou capítulo dela, tanto no que tange ao conteúdo quanto à qualidade do texto em construção. Quando a tese está em estado final, com o texto aprovado pelo orientador, é o momento adequado para a revisão de texto ter lugar.
O aluno deve fornecer ao revisor uma cópia das orientações da universidade para revisores de tese, quando houver. Também deverá fornecer as normas da instituição sobre a formatação da tese, caso a mesma pessoa venha a revisar e formatar o texto – o que é altamente desejável.
O aluno deve incluir, nos agradecimentos a seção da tese, por cortesia e por direito à referência pela colaboração havida, uma declaração que indique o nome do revisor e a natureza dos serviços prestados por ele.
O contrato para serviços entre o autor e um revisor é um assunto privado entre as partes. A remuneração por tais serviços é também assunto privado, mas recomenda-se que, antes que o trabalho seja iniciado, seja feito o orçamento detalhado, incluindo-se nele os prazos estipulados. 

Sugestões aos orientadores de teses

Cabe aos orientadores suprir seus estudantes com conselhos sobre o conteúdo, a estrutura e o estilo da tese. Não é responsabilidade da autoridade acadêmica corrigir toda uma tese. Qualquer orientador que tem preocupações sobre um aluno escrevendo mal, deve aconselhar seu aluno a entrar em contato com um bom revisor de textos acadêmicos.
O orientador deve estar satisfeito com o conteúdo da tese ou capítulo de tese antes que a revisão seja contratada; caso contrário, se o texto for alterado depois de revisado, novos problemas podem ser introduzidos. O doutorando deve, portanto, obter a aprovação do texto pelo orientador antes de submetê-lo ao revisor.
Não é recomendável que um orientador atue como revisor, nem deve um orientador solicitar, ele próprio, uma terceira pessoa para revisar a tese para seus alunos. Também não é correto que o orientador exija que o trabalho seja revisado por este ou aquele; indicar ou sugerir um bom profissional, é ótimo, mas a escolha deve recair sobre o autor do texto.

Diretrizes quanto a revisores na instituição

Para evitar qualquer potencial conflito de interesses, quando o revisor é um membro da instituição a que o texto se destina, deve ser aplicado o seguinte:
  1. Se um funcionário da universidade dedica-se a fazer serviços de revisão para um estudante, o funcionário deve fazer esse trabalho fora do seu horário normal no emprego. O trabalho de revisão não deve impactar no exercício de seus deveres laborais. O autor deverá ter consciência de que o trabalho de revisão será mais lento quando feito por um profissional que tem outros encargos.
  2. A revisão do trabalho do aluno, idealmente, deve ser feita fora da área de ensino, quando o revisor for professor na instituição, por exemplo: professora de turismo, não deve prestar serviços de revisão para estudante de turismo.
  3. A prestação de serviços de revisão de texto é transação particular entre o revisor e autor. O revisor é responsável por todas as questões fiscais e tributárias relacionadas ao trabalho a ser concluído. Caso a universidade disponibilize recursos para a revisão, caberá ao aluno intermediar e apresentar os recibos e comprovantes da despesa e do serviço.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Cálculo dos preços para revisão e formatação de textos acadêmicos. Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda, remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar.
Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. Assim, nossa lauda quase corresponde ao número de páginas do trabalho acadêmico usual. Mas muitos fatores interferem: quantidade de imagens, notas de rodapé, por exemplo. Com…

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem.
Dependendo do número delas e dos seus tipos, a numeração pode ser por cada tipo (Foto 1, Foto 2... Tabela 1, Tabela 2...) e também pode a numeração fazer referência ao capítulo em que o elemento gráfico foi inserido (Foto 2-1, Foto 2-2...); as alternativas ficam abertas à adequação de cada caso.
Várias são as possibilidades atuais de introdução de ilustrações no texto. A disposição das ilustrações pode se subordinar à sua natureza, ao texto ou à exigência de destino do trabalho, com amplas possibilidades.
Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da il…

Referências pela ABNT para Word

O Word faz para você o controle e a formatação das citações, por qualquer norma, inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado. As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam esses serviços. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa. Sim, vou ser bem claro: o Word faz as referenciações das citações (dire…

Estrutura da tese de doutorado - ou da dissertação de mestrado

A estrutura sugerida de tese pode ser observada em outra tese; quem faz um doutorado há de ter lido várias teses e visto como deve ser, mas aqui se faz a abstração dessa estrutura. Trata-se de um modelo idealizado. Os elementos sugeridos abaixo são adequados para uma tese experimental ou teórica. Em alguns casos, um ou dois deles podem não ser aplicáveis. Verifique o que é adequado a seu caso. Claro que tudo isso serve também para a dissertação, mas em ponto menor.
Estas sugestões aqui são muito importantes: Faça uma lista para pontos do que serão alocados em cada capítulo. Tente fazer essa lista bastante detalhada, coloque pontos que correspondam às seções ou parágrafos da tese em redação. Não precisa colocar todos os pontos de primeira, a lista vai crescendo – à medida em que as ideias surgem – e diminuindo – quando os pontos listados, alcançados, forem sendo cortados. Nessa fase, pode ser difícil pensar a lógica de apresentação dentro dos capítulos, muitas vezes é possível apresen…

Referências no texto acadêmico

Antigamente, colocava-se ao fim de cada trabalho escrito uma bibliografia. Com advento de novas mídias, passou-se a usar o termo referências bibliográficas para a listagem de obras consultadas. Atualmente, a recomendação é usar apenas a expressão referências, pois elas pode ir bem além das obras livrescas. Mas ainda se deve se distinguir o que normalmente se confunde: Referências são o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO). Bibliografia é o conjunto de obras (livros) pesquisadas a que o leitor pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho. “Documento que apresenta lista de referências bibliográficas, usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos. Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO). Em geral…