Pular para o conteúdo principal

Padrões de editoração acadêmica: introdução e fundamentos

Introdução aos padrões Keimelion de editoração de textos acadêmicos: revisão e formatação de teses, dissertações e artigos científicos.

A editoração de textos acadêmicos, notadamente a dos textos mais longos, envolve cuidadosa revisão e formatação do material antes de sua defesa e publicação, implicando em inúmeras alterações ou sugestões para aperfeiçoar o texto e sua apresentação gráfica. O objetivo da editoração é garantir que o material seja consistente e preciso e que seu conteúdo, linguagem, estilo e layout atendam a sua finalidade e às necessidades do público alvo.
Mudar um texto em processo de revisão gera conflito de versões e retrabalho.
Existem fundamentos técnicos e
teóricos que embasam as atividades
de revisão e formatação de textos.
Os revisores de textos científicos e seus formatadores são atores intermediários que devem, habilmente e com muito tato, equilibrar os interesses do autor (o cliente) às exigências do público intermediário (pares, bancas, comissões editoriais) e às exigências dos leitores finais – o alvo.
Capturar a completa gama de conhecimentos, habilidades, melhores práticas, tarefas sequenciais e responsabilidades exigidas da equipe de editoração, em todos os projetos, em todas as configurações, é impossível. Por um lado, as equipes trabalham em muitos assuntos diferentes e textos acadêmicos de todas as áreas do conhecimento e que requerem habilidades e conhecimentos especializados. Por outro lado, as equipes executam tarefas que se estendem além de editoração, tais como gerenciamento de projetos, design, indexação, comparação de tradução, referenciação.
Independentemente disso, existem certas normas fundamentais, padrões de editoração, que revisores e formatadores profissionais devem conhecer, por suposto, e que constituem diretrizes do trabalho na Keimelion. O objetivo aqui é listar as principais normas de procedimento – o conhecimento, habilidades e práticas mais comumente necessárias para editoração de textos acadêmicos e que são nossos referenciais. Os padrões cobrem os estágios editoriais geralmente reconhecidos (formatação primária, revisão primária, formatação do texto, segunda leitura... ) que começam quando o material está mais ou menos completo e terminam quando está pronto para publicação (defesa, submissão). Os padrões são divididos em cinco partes:
A. Fundamentos da editoração: abrange que os conhecimentos e práticas necessárias de todos os editores acadêmicos profissionais.
  1. Editoração estrutural: cobre as competências necessárias em cada fase do trabalho.
  2. Editoração estilística: abrange a criação e implantação de estilos para os campos texto e tópicos.
  3. Formatação: compreende a conjunção entre os elementos gráficos e o texto.
  4. Revisão de textos: perpassa todos os elementos textuais (gramática, estilo, ortografia...), intertextuais (relação ente textos e imagens, entre dados e gráficos...) e hipetextuais (links internos e externos, índices, metarreferências...).

1 Os fundamentos da editoração estrutural de teses e dissertações

Os profissionais de revisão de textos acadêmicos e de formatação e normalização executam uma variedade de tarefas, da gestão de um processo editoração inteiro ou apenas uma parte específica dele. Independentemente da extensão de seu envolvimento, todos os profissionais envolvidos precisam ter compreensão ampla do processo e de seu papel nele. Eles devem demonstrar iniciativa e flexibilidade, sendo capazes de se adaptar às necessidades do projeto e às condições de cada trabalho específico, e eles precisam se comunicar claramente e com muito tato, respeitando as opiniões dos outros e as determinações do cliente.
Antes de empreender um projeto, os revisores e formatadores devem se assegurar de que têm as habilidades, formação e experiência necessária para completar o trabalho. Eles também devem continuar a melhorar e atualizar seus conhecimentos e competências ao longo de suas carreiras.

CONHECIMENTO

1.1 Conhecimento teórico de editoração.

Conhecer o processo de editoração acadêmica. Compreender as etapas do processo editorial para que o trabalho dos revisores e formatadores se complementem.
1.1.1 Compreender as fases de um projeto, as funções típicas da equipe de editoração e o lugar do editor no processo.
1.1.2 Entender os estágios geralmente reconhecidos do processo editorial e estar ciente de que podem se sobrepor ou se desdobrar de forma diferente durante a execução de determinado projeto.
1.1.3 Estar familiarizado com a terminologia comumente utilizada na editoração e publicação.
1.1.4 Entender os diferentes tipos de textos (gêneros textuais) e meios de comunicação social (mídias) e as implicações que eles têm para as opções de editoração e produção.

1.2 Conhecer importância do público e a finalidade do material.

Estar ciente das implicações entre o texto e público e da finalidade do material para a editoração e para se fazerem as escolhas. A cada estágio, ter em vista o produto final.

1.3 Conhecer a relação entre o escopo de um projeto e o processo editorial.

Compreender como a editoração é influenciada pelo escopo de um projeto: o que é o projeto (seu objetivo, público e mídia); o nível de intervenção editorial necessária; o tempo, orçamento e outros recursos disponíveis; os papéis dos principais intervenientes no projeto; e as linhas de autoridade.

1.4 Conhecimento da mídia do projeto.

Ao editar qualquer tipo de publicação, conhecer suas partes e entender seus propósitos e a ordem habitual ou colocação (por exemplo: partes de uma página impressa ou eletrônica; partes de um livro, revista ou boletim; convenções para governo ou relatórios empresariais; convenções para sites ou outras publicações eletrônicas; elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais de uma tese).

1.5 Conhecer os requisitos legais e éticos inerentes ao texto e sua publicação.

Entender que a editoração é parte de um processo com dimensões legais e éticas.
1.5.1 Entender as dimensões jurídicas do processo de editoração, incluindo os conceitos fundamentais de direitos autorais (por exemplo, a posse de obras, domínio público, os direitos morais), plágio, difamação, obscenidade, proteção de privacidade e assuntos relacionados.
1.5.2 Compreender a dimensão ética dos processos de editoração publicação, incluindo a necessidade de abordar o material tendencioso, não-inclusivo e ofensivo.
1.5.3 Compreender o papel do revisor e do formatador nessas partes do processo editorial e saber a importância de abordar quaisquer questões que possam surgir em qualquer fase da editoração.
1.5.4 Saber quando as permissões são necessárias.

1.6 Saber processam os elementos básicos do design e produção editorial.

Estar consciente do papel que a editoração desempenha no processo de criação e produção e compreender os princípios básicos, convenções, terminologia e ferramentas desse processo.
1.6.1 Entender como o design gráfico pode ser usado para transmitir significado e melhorar a legibilidade (ergonomia visual).
1.6.2 Entender como elementos textuais e a inter-relação entre texto, formato e design podem afetar a legibilidade de modo diferente em diferentes mídias.
1.6.3 Entender as convenções para a exibição de tabelas, figuras, gráficos, mapas e outros elementos visuais.
1.6.4 Familiarizar-se com características tipográficas, incluindo medidas tipográficas (por exemplo, pixels, pontos), alinhamento do texto (por exemplo, recuo, justificação), espaçamento (por exemplo: fio, espaço) e tipo de letra (por exemplo, com o sem serifa, famílias).
1.6.5 Estar familiarizado com o software comumente usado para design, formatação, editoração eletrônica e criação de Web.
1.6.6 Familiarizar-se com elementos visuais comuns, tais como os principais formatos gráficos (por exemplo, GIF, JPEG, TIFF) e tipos de imagens (por exemplo, ícones, fotografias, trechos de vídeo, ilustrações).

PRÁTICAS

1.7 Definir e manter uma programação realista.

Definir agendamentos realistas e cumprir prazos. Se trabalhar, por exemplo, como coordenador do projeto, definir e manter o cronograma, como líder da equipe interna, e equilibrando os prazos de vários clientes.

1.8 Definir e aplicar a intervenção adequada e editorial.

Tendo em conta o escopo do projeto (veja 1.3), avaliar a qualidade do material e determinar a intervenção editorial que é apropriada.
1.8.1 Determinar a extensão da editoração a ser aplicada: a fase ou fases (estrutural, estilística; revisão de textos) e o nível de intervenção (pesado, leve). Certificar de que a equipe está ciente dessas decisões e do que elas acarretam.
1.8.2 Reconhecer o que precisa ser mudado e realizar a editoração de que é necessário ou solicitado, aplicando o estágio e o nível de editoração consistentemente.
1.8.3 Certificar-se de que o formato é apropriado ao material para melhor atender as necessidades do público-alvo, propósito e mídia.
1.8.4 Considerar as implicações de tempo, custo, processos de produção, público-alvo e propósito ao sugerir alterações. Na primeira oportunidade, identificar problemas que possam afetar a agenda ou o orçamento.

1.9 Identificar e resolver problemas legais e éticos.

Tendo em conta as dimensões éticas e legais do processo de publicação (ver 1.5), com a brevidade possível, resolver quaisquer questões que possam surgir.
1.9.1 Identificar e resolver ou indicar possíveis soluções de problemas legais (por exemplo, violação de direitos autorais, plágio, difamação, obscenidade, violações de privacidade).
1.9.2 Identificar referências potencialmente tendenciosa e material ofensivo (por exemplo, suposições ou conteúdo racista, sexistas, culturalmente estereotipadas) e remover, alterar, ou sugerir.

1.10 Conhecer as ferramentas de editoração de empregá-las com competência de usuário avançado.

Usar o software, outras ferramentas eletrônicas e material de referência que sejam relevantes para editoração com competência e eficiência.
1.10.1 Aplicar a tecnologia eletrônica atual e software para trabalhar compartilhar material com autores, clientes ou membros da equipe.
1.10.2 Manter proficiência em softwares relevantes para editoração (por exemplo, localizar e substituir itens, revisões, ortografia e controle de alterações).
1.10.3 Saber onde encontrar e como usar obras de referência atuais, de confiança, tanto impressa e eletrônicas, incluindo guias de estilo, dicionários e outras fontes.

1.11 Gerenciar arquivos e documentos metodicamente.

Garantir que as interferências sejam claramente apresentadas para que possam ser devidamente aplicadas e capturados no processo de produção editorial. 

1.11.1 Controlar e apresentar as alterações, sugestões e correções de forma clara para os demais colaboradores, quer por via oral ou por escrito (por exemplo, papel ou marcação eletrônica, notas, e-mails, notas de margem).
1.11.2 Comunicar-se claramente e com muito tato com membros da equipe em todas as fases.
1.11.3 Manter cópias dos rascunhos sucessivos e provas, identificar quem fez as mudanças e tomar medidas para assegurar que todas as partes estejam usando a versão atual de cada documento.
1.11.4 Verificar que alterações solicitadas sejam feitas corretamente e certificar-se de que o material aprovado em fases anteriores não foi alterado involuntariamente.

1.12 Não inserir nenhum erro novo.

Fazer todas as alterações sem mudar o significado pretendido ou introduzir erros.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Cálculo dos preços para revisão e formatação de textos acadêmicos. Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda, remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar.
Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. Assim, nossa lauda quase corresponde ao número de páginas do trabalho acadêmico usual. Mas muitos fatores interferem: quantidade de imagens, notas de rodapé, por exemplo. Com…

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem.
Dependendo do número delas e dos seus tipos, a numeração pode ser por cada tipo (Foto 1, Foto 2... Tabela 1, Tabela 2...) e também pode a numeração fazer referência ao capítulo em que o elemento gráfico foi inserido (Foto 2-1, Foto 2-2...); as alternativas ficam abertas à adequação de cada caso.
Várias são as possibilidades atuais de introdução de ilustrações no texto. A disposição das ilustrações pode se subordinar à sua natureza, ao texto ou à exigência de destino do trabalho, com amplas possibilidades.
Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da il…

Referências pela ABNT para Word

O Word faz para você o controle e a formatação das citações, por qualquer norma, inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado. As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam esses serviços. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa. Sim, vou ser bem claro: o Word faz as referenciações das citações (dire…

Estrutura da tese de doutorado - ou da dissertação de mestrado

A estrutura sugerida de tese pode ser observada em outra tese; quem faz um doutorado há de ter lido várias teses e visto como deve ser, mas aqui se faz a abstração dessa estrutura. Trata-se de um modelo idealizado. Os elementos sugeridos abaixo são adequados para uma tese experimental ou teórica. Em alguns casos, um ou dois deles podem não ser aplicáveis. Verifique o que é adequado a seu caso. Claro que tudo isso serve também para a dissertação, mas em ponto menor.
Estas sugestões aqui são muito importantes: Faça uma lista para pontos do que serão alocados em cada capítulo. Tente fazer essa lista bastante detalhada, coloque pontos que correspondam às seções ou parágrafos da tese em redação. Não precisa colocar todos os pontos de primeira, a lista vai crescendo – à medida em que as ideias surgem – e diminuindo – quando os pontos listados, alcançados, forem sendo cortados. Nessa fase, pode ser difícil pensar a lógica de apresentação dentro dos capítulos, muitas vezes é possível apresen…

Referências no texto acadêmico

Antigamente, colocava-se ao fim de cada trabalho escrito uma bibliografia. Com advento de novas mídias, passou-se a usar o termo referências bibliográficas para a listagem de obras consultadas. Atualmente, a recomendação é usar apenas a expressão referências, pois elas pode ir bem além das obras livrescas. Mas ainda se deve se distinguir o que normalmente se confunde: Referências são o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO). Bibliografia é o conjunto de obras (livros) pesquisadas a que o leitor pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho. “Documento que apresenta lista de referências bibliográficas, usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos. Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO). Em geral…