Pular para o conteúdo principal

Como escolher seu orientador?

Em muitos programas de doutorado e mesmo em alguns de mestrado, é necessário que o candidato seja aceito por um eventual orientador antes mesmo de ser aprovado na seleção.

Outros programas adiam essa necessidade para quando o aluno já tenha tido contato com alguns professores do programa. Antes de entrar em contato com um potencial orientador para sua tese ou dissertação, cuide de conhecer a pessoa e o profissional:
Há muitos percursos na hora de escolher quem vai orientar sua tese.
As opções são muitas na escolha de orientador,
mas o melhor é adotar critérios na escolha.
  • Primeiro faça sua pesquisa sobre a obra e o trabalho de orientação dos professores em que você possa ter interesse!
  • Tenha uma ideia da pesquisa de campo que interessa a você e um anteprojeto de tese ou dissertação exequível.
  • Certifique-se de que o professor que você considerar é um membro do programa em que você está inscrito ou pretendendo ingressar ou se o programa aceita orientadores externos, portanto, elegíveis para sua orientação.
  • Leia o perfil dos professores no site do instituto a que ele pertence e seu currículo Lattes e visite os sites da faculdade ou o programa que lhe interessa.
  • Compare suas áreas de interesse às dos potenciais supervisores.
  • Fale com professores que você conheça sobre seu campo de interesse e peça conselho sobre quem seria melhor capaz de orientar você.
  • Leia as publicações acadêmicas de seu potencial orientador para determinar se seu campo de pesquisa e seus métodos são coerentes com o assunto ou projeto que você está considerando. Leia também os trabalhos ou teses de estudantes que trabalharam sob sua direção.

Primeiro contado com o orientador

  • Envie uma carta ou um e-mail se apresentando ao eventual orientador. Se ele não responder à primeira, será que vai responder a outras no futuro, quando você necessitar mesmo elucidar alguma questão?
  • Saiba com clareza suas áreas de interesse e como elas correspondem com a pesquisa e a experiência do professor por quem você está interessado.
  • Incluir informações sobre sua formação acadêmica.
  • Nunca envie uma carta ou um eemail genérico, não é um caso de fazer uma circular para diversos “candidatos” a orientador!

Faça uma visita à instituição

  • Planeje uma visita à instituição e peça para conhecer potenciais orientadores; vá mais de uma vez: nem sempre eles estarão por lá, mas é necessário conhecer alguns.
  • Esteja bem preparado quando você for encontrar formalmente com um orientador potencial. Tenha à mão o máximo de informação possível sobre seu tema de trabalho. Faça uma lista de perguntas que quer fazer e os pontos que você gostaria de discutir durante sua entrevista com ele.
  • Peça para visitar o laboratório. Saiba mais sobre a pesquisa (laboratório e outras instalações) da infraestrutura de que dispõe o potencial orientador.
  • Conheça aluno(s) dele e os outros membros do laboratório sob a orientação de seu “candidato” potencial. Este processo é um aspecto importante da tomada de decisões no que diz respeito ao centro de pesquisa que combina com você: os outros orientandos dele serão seus colegas. Não se esqueça de se informar sobre o trabalho deles, pedir para ver dados – se possível, pedir-lhes para falar sobre seus projetos, interações no laboratório, etc.

Se você não pode ir a tais lugares

  • Peça uma entrevista por telefone.
  • Esteja bem preparado. Tenha à mão o máximo de informação possível sobre o seu tema de tese. Faça uma lista de perguntas que quer fazer e os pontos que você gostaria de discutir durante sua entrevista telefônica.
  • Saiba mais sobre as condições de pesquisa (laboratório e outras instalações) e da disponível para o orientador.
  • Considerar as dinâmicas de interação e traços de personalidade de ambos.

Após a reunião ou entrevista telefônica, pergunte-se:

• Quais seus interesses por este orientador? • Após a reunião, você acha que este professor tem uma abordagem (filosófica e teórica) bastante compatível para possível colaboração? Você pode se comunicar livremente com essa pessoa? • O laboratório combina com você? • Que tipo de apoio financeiro ou contratos estarão disponíveis? Alguns departamentos têm requisitos mínimos de financiamento.
• Você terá a oportunidade de participar em conferências, publicações? • Você concorda em como vai acontecer a sua colaboração em relação às expectativas de papéis e responsabilidades? • Como você pode encontrar com o orientador?
• Este professor orientador estará disponível durante toda a preparação e a redação da sua tese? É importante lembrar que a relação que você está prestes a começar é uma relação de reciprocidade e de média duração: alguns anos.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Cálculo dos preços para revisão e formatação de textos acadêmicos. Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda, remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar.
Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. Assim, nossa lauda quase corresponde ao número de páginas do trabalho acadêmico usual. Mas muitos fatores interferem: quantidade de imagens, notas de rodapé, por exemplo. Com…

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem.
Dependendo do número delas e dos seus tipos, a numeração pode ser por cada tipo (Foto 1, Foto 2... Tabela 1, Tabela 2...) e também pode a numeração fazer referência ao capítulo em que o elemento gráfico foi inserido (Foto 2-1, Foto 2-2...); as alternativas ficam abertas à adequação de cada caso.
Várias são as possibilidades atuais de introdução de ilustrações no texto. A disposição das ilustrações pode se subordinar à sua natureza, ao texto ou à exigência de destino do trabalho, com amplas possibilidades.
Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da il…

Referências pela ABNT para Word

O Word faz para você o controle e a formatação das citações, por qualquer norma, inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado. As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam esses serviços. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa. Sim, vou ser bem claro: o Word faz as referenciações das citações (dire…

Estrutura da tese de doutorado - ou da dissertação de mestrado

A estrutura sugerida de tese pode ser observada em outra tese; quem faz um doutorado há de ter lido várias teses e visto como deve ser, mas aqui se faz a abstração dessa estrutura. Trata-se de um modelo idealizado. Os elementos sugeridos abaixo são adequados para uma tese experimental ou teórica. Em alguns casos, um ou dois deles podem não ser aplicáveis. Verifique o que é adequado a seu caso. Claro que tudo isso serve também para a dissertação, mas em ponto menor.
Estas sugestões aqui são muito importantes: Faça uma lista para pontos do que serão alocados em cada capítulo. Tente fazer essa lista bastante detalhada, coloque pontos que correspondam às seções ou parágrafos da tese em redação. Não precisa colocar todos os pontos de primeira, a lista vai crescendo – à medida em que as ideias surgem – e diminuindo – quando os pontos listados, alcançados, forem sendo cortados. Nessa fase, pode ser difícil pensar a lógica de apresentação dentro dos capítulos, muitas vezes é possível apresen…

Referências no texto acadêmico

Antigamente, colocava-se ao fim de cada trabalho escrito uma bibliografia. Com advento de novas mídias, passou-se a usar o termo referências bibliográficas para a listagem de obras consultadas. Atualmente, a recomendação é usar apenas a expressão referências, pois elas pode ir bem além das obras livrescas. Mas ainda se deve se distinguir o que normalmente se confunde: Referências são o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO). Bibliografia é o conjunto de obras (livros) pesquisadas a que o leitor pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho. “Documento que apresenta lista de referências bibliográficas, usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos. Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO). Em geral…