Pular para o conteúdo principal

Ficha catalográfica: o autor ou o formatador podem fazer

O próprio autor faz a ficha catalográfica da tese

Se você contratar os serviços de formatação da Keimelion, nos fazemos a ficha catalográfica e inserimos adequadamente.

Atenção: alguns programas de pós-graduação exigem que as fichas catalográficas das dissertações e das teses seja preparada pela biblioteca da instituição; nesse caso, o aluno deverá solicitar com antecedência; estejam atentos aos prazos, cuidado com os atrasos institucionais.

Uma das exigências formais na tese, para que ela seja aceita em depósito para a defesa ou para guarda institucional, é a ficha catalográfica nos moldes padronizados. 
No verso da folha de rosto do livro ou trabalho acadêmico (tese, dissertação) deverá constar a ficha catalográfica que é a identificação padrão do trabalho a para ser catalogado em bibliotecas. 
Esta ficha deverá seguir padrões internacionais conforme o Código de Catalogação Anglo-Americano – AACR2. A biblioteca é; o órgão da instituição de ensino responsável pelo serviço e costuma fazer a ficha catalográfica para todos os alunos da instituição procure a bibliotecária de seu campus. 
Faça sua própria ficha catalográfica. Ela é necessária na tese e na dissertação.
Importante é não deixar que a burocracia e as normas atrapalhem a qualidade científica de tese.

Que informações compõem a ficha catalográfica?

Nos livros impressos, a ficha catalográfica contém as seguintes informações:
  1. Nome do autor;
  2. Título e subtítulo da obra, local da publicação, editora, ano da publicação, número de páginas;
  3. ISBN;
  4. Assuntos - são praticamente as palavras-chave.
  5. Classificação por assunto (CDD e CDU) - existem catálogos com esses números.
Em caso de livro, ou se sua biblioteca não fornecer o serviço, você pode solicitar a ficha cristalográfica na  Câmara Brasileira do Livro
Para tanto, será necessário enviar a eles:
  • PÁGINA DE ROSTO (não pode faltar e precisa ser exatamente como será publicado)
  • PÁGINA DE CRÉDITO (mesmo critério da página de rosto)
  • SUMÁRIO
  • * De 10 a 15 paginas iniciais do trabalho  (Todo material enviado deve ser reprodução fiel da publicação, quanto aos dizeres, disposição e localização das informações – Se for nova edição ou impressão, enviar xerox da página de rosto, indicando na xerox as modificações.

Como fazer a ficha catalográfica para tese ou dissertação?

O próprio autor do texto, quer ele seja uma tese, dissertação ou monografia pode fazer a ficha catalográfica de seu trabalho. Pode também solicitar a quem fizer a formatação. Em muitas instituições, bibliotecários são encarregados de fazer este serviço para os alunos da pós-graduação, também você pode encomendar a alguém que saiba fazer - que pode até ser quem formatar o texto. Mas recorrer a esses serviços pode implicar em atrasos que são dramáticos para quem está com o prazo de entrega acabando. 
Aqui estão as instruções para a elaboração da ficha; ela é a única informação que se imprime no verso da página, ficando na mesma folha da página de rosto.
Muitos cursos não requerem a inclusão da ficha, mas recomendamos que ela seja incluída mesmo que não seja exigida; fazer isso valoriza o trabalho e facilita sua identificação, classificação e correta citação por parte de outros autores. É tão gratificante ser corretamente citado quanto frustrante ser citado com erro - a ficha ajuda a evitar equívocos.
Guia Para Elaboracao de Ficha Catalografica

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Preços de revisão e formatação acadêmica Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda , remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons ; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar. Para saber com segurança o preço do serviço, solicite um orçamento. Não se deixe impressionar pelo preço baixo na hora de contratar um revisor de textos: pode sair muito caro! Contrate o melhor.  Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. A

Referências pela ABNT para Word

O Word faz o controle e a formatação das citações O programa da Microsoft está apto a trabalhar com várias normas , inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado . Ilumine seu texto revisando e formatando na Keimelion. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa.As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

Gráficos e ilustrações integram as teses e dissertações As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem. Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da ilustração e sobre a informação que ela agrega ao texto; se não for realmente pertinente, é preferível descartar; no que se refere aos gráficos, fluxogramas e outros elementos ilustrativos criados para o trabalho, é bom verificar se possuem tamanho e cores adequadas – sóbrias – como convém ao texto científico; as cores que os programas mais usuais de planilha de cálculo usam automaticamente parecem bastante adequadas, não sendo preciso inventar

A tese: material e métodos, resultados e conclusão, estilo e referências

Tese e dissertação são textos logos do gênero acadêmico As partes das teses e dissertações pode constituir subgêneros específicos A escrita da tese segue parâmetros distintos nas seções específicas do texto, guardando unidade de estilo e coerência entre todos os segmentos do trabalho. Assim, a introdução pode ter, por exemplo, uma passagem mais pessoal, que relate a ligação do autor com a temática, e partes que analisem discursos de sujeitos entrevistados podem requerer transcrições literais - segmentos repletos de oralidade, o que não é admitido em outros trechos no gênero acadêmico. Já os resumos, são outro tópico, e merecem uma postagem só para eles. O coroamento da pesquisa é a apresentação dos resultados: a tese, sua defesa, a publicação. Material e métodos: descrever equipamentos e procedimentos Nesta seção o autor deve explicar claramente como o experimento foi realizado, e como foi realizada a análise estatística dos dados, podendo também utilizar as sugestões indicadas para

Abreviatura, siglas e símbolos

Critérios de uso: siglas e abreviaturas em teses. Abreviatura é a “apresentação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras, usada no tratamento documental”. Evitemos inventar abreviaturas , exceto aquelas que se referirem a elementos conceituais ou referências a obras clássicas repetidas extensiva e intensivamente no trabalho. Segundo recomendação da SOAPQR, evite-se o uso de abreviaturas que não sejam de domínio comum entre os leitores do texto. Entre as mais comuns universalmente aceitas, há: designação de ano ou século em relação à era cristã (a.C., d.C.); a expressão etc. (et cœtera); meses do ano em ilustração, tabelas e referências (jan., fev., mar., abr., mai., jun., jul., ago., set., out., nov., dez.); designações comerciais (Cia., Ltda., S/A, S/C). Siglas criam dificuldades para o leitor, porque exigem que sejam decifradas. A regra é evitá-las, principalmente em títulos, exceto em casos consagrados, como Aids, Bradesco, Embratel, ONU, OLP, USP. Observe-se a