Pular para o conteúdo principal

Abreviatura, siglas e símbolos

Abreviatura é a “apresentação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras, usada no tratamento documental” (CAMARGO e BELLOTO, 1996:1).

Evitemos inventar abreviaturas, exceto aquelas que se referirem a elementos conceituais ou referências a obras clássicas repetidas extensiva e intensivamente no trabalho.
Segundo recomendação da SOAPQR,
evite-se o uso de abreviaturas que não
sejam de domínio comum entre os
leitores do texto.
Entre as mais comuns universalmente aceitas, há: designação de ano ou século em relação à era cristã (a.C., d.C.); a expressão etc. (et cœtera); meses do ano em ilustração, tabelas e referências (jan., fev., mar., abr., mai., jun., jul., ago., set., out., nov., dez.); designações comerciais (Cia., Ltda., S/A, S/C).
Siglas criam dificuldades para o leitor, porque exigem que sejam decifradas. A regra é evitá-las, principalmente em títulos, exceto em casos consagrados, como Aids, Bradesco, Embratel, ONU, OLP, USP.
Observe-se a seguinte padronização:
  1. não usar pontos: ONU e não O.N.U.;
  2. escrever por extenso seu significado, de preferência logo após a primeira menção: O filme vai ser exibido no MIS (Museu da Imagem e do Som), exceto quando a sigla for muito consagrada, como Aids, Bradesco, ONU;
  3. usar apenas letras maiúsculas para sigla com até três letras: OMS, DPF, ONU. Mas atenção: alguns nomes, como Efe (a agência de notícias espanhola) e Fed (o banco central norte-americano), parecem siglas, mas não são;
  4. empregar maiúscula apenas na primeira letra de siglas com mais de três letras que podem ser lidas sem dificuldade como palavra: Unesco, Banespa, Petrobrás, Sudene, Sesc, Prona;
  5. usar apenas letras maiúsculas para sigla que exija leitura letra por letra: UFMG, SBPC, DNDDC, DNER, PMDB;
  6. há algumas exceções consagradas, como CNPq, UnB;
  7. se precisar formar plural, acrescente-se s minúsculo: TVs, BTNs.
Os símbolos das unidades de medida não são abreviaturas nem siglas, devendo ser escritos em minúsculas, exceto aqueles etimologicamente ligados a nomes próprios; assim: g – grama; m – metro; kg – quilograma; V – volt (maiúsculo, por causa de Alessandro Volta), s – segundo. São grafados sem ponto de abreviação e sem plural (FOLHA, adaptado).
A ABNT, na NBR 6032, define regras para se criarem abreviações. Algumas dessas regras são:
não se abreviam palavras com menos de cinco letras;
  1. devem-se suprimir artigos e preposições;
  2. o tipo do periódico abrevia-se com uma letra maiúscula (p.ex.: B. boletim, C. correio, D. diário, F. Folha, G. gazeta, J. jornal, R. revista);
  3. os substantivos abreviam-se com a primeira letra maiúscula e os adjetivos em minúscula, exceto para nomes de entidades (Revista Brasileira de Medicina Veterinária = R. bras. Med. vet.; Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária = Soc. Bras. Med. Vet.).
Os meses, a serem mencionados nas referências de periódicos, são sempre abreviados na língua de origem do artigo; segue-se quadro com abreviaturas em algumas línguas; observe-se a grafia nas línguas românicas – em minúsculas; nas germânicas, inicial maiúscula.
Quadro de abreviaturas:
Os meses devem ser abreviados na forma da língua na publicação original.
Traga sua tese ou dissertação para ser revisada conosco.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela de preços de revisão de tese ou dissertação

Cálculo dos preços para revisão e formatação de textos acadêmicos. Tema espinhoso para o revisor e para os autores: taxas, preços, pagar por lauda, remuneração justa… Infelizmente, não existe preço padrão – como não existe serviço estandardizado, há excelentes revisores de textos na praça, e outros não tão bons; mas existem tendências que podem tornar-se prática e sobre as quais vamos comentar.
Assim como como em serviços de tradução, geralmente, o preço da revisão é calculado por lauda. Para alguns, este termo – lauda – indica um texto de 1200 a 2200 caracteres, como muitos editores, revisores, tradutores e agentes literários, nós entendemos por lauda um texto de 1500 caractere com espaços. Esse não é um número mágico, apenas é o que corresponde, aproximadamente, à página A4, com texto em corpo 12 e espaço 1,5. Assim, nossa lauda quase corresponde ao número de páginas do trabalho acadêmico usual. Mas muitos fatores interferem: quantidade de imagens, notas de rodapé, por exemplo. Com…

Elementos gráficos nas teses e dissertações: ilustrações, fotografias, desenhos, tabelas, diagramas

As ilustrações que acompanham as teses ou dissertações devem estar seguidas de legenda, e deverão ser indexadas, ou lançadas em lista geral de ilustrações, como melhor convier. O revisor atentará aos textos das legendas e aos intertextos em que o elemento gráfico implicar. O formatador procurará a melhor situação espacial para os elementos na página, segundo as restrições que as normas impuserem.
Dependendo do número delas e dos seus tipos, a numeração pode ser por cada tipo (Foto 1, Foto 2... Tabela 1, Tabela 2...) e também pode a numeração fazer referência ao capítulo em que o elemento gráfico foi inserido (Foto 2-1, Foto 2-2...); as alternativas ficam abertas à adequação de cada caso.
Várias são as possibilidades atuais de introdução de ilustrações no texto. A disposição das ilustrações pode se subordinar à sua natureza, ao texto ou à exigência de destino do trabalho, com amplas possibilidades.
Os cuidados a serem tomados se referem ao excesso – cabe ponderar sobre a necessidade da il…

Referências pela ABNT para Word

O Word faz para você o controle e a formatação das citações, por qualquer norma, inclusive as da ABNT. Aprenda a usar a ferramenta e simplifique sua vida na hora de fazer sua tese ou mesmo para um artigo a ser publicado. As pessoas que redigem teses e dissertações ainda não sabem usar o Word. Pouco fazem com o programa, além do que fariam com uma máquina de escrever; assim, uma das tarefas mais penosas da redação acadêmica, o controle das citações e das referências, é feito - insistentemente - sem o uso das ferramentas do Office que facilitam esses serviços. Uma importante Ferramenta do Microsoft Word é o seu Gerenciador de Fontes Bibliográficas. Para quem está escrevendo um trabalho acadêmico - uma tese, dissertação, artigo científico - ou qualquer outro texto que requeira citações normatizadas, é importante cadastrar as referências do trabalho para depois gerar a listagem dos documentos consultados na pesquisa. Sim, vou ser bem claro: o Word faz as referenciações das citações (dire…

Estrutura da tese de doutorado - ou da dissertação de mestrado

A estrutura sugerida de tese pode ser observada em outra tese; quem faz um doutorado há de ter lido várias teses e visto como deve ser, mas aqui se faz a abstração dessa estrutura. Trata-se de um modelo idealizado. Os elementos sugeridos abaixo são adequados para uma tese experimental ou teórica. Em alguns casos, um ou dois deles podem não ser aplicáveis. Verifique o que é adequado a seu caso. Claro que tudo isso serve também para a dissertação, mas em ponto menor.
Estas sugestões aqui são muito importantes: Faça uma lista para pontos do que serão alocados em cada capítulo. Tente fazer essa lista bastante detalhada, coloque pontos que correspondam às seções ou parágrafos da tese em redação. Não precisa colocar todos os pontos de primeira, a lista vai crescendo – à medida em que as ideias surgem – e diminuindo – quando os pontos listados, alcançados, forem sendo cortados. Nessa fase, pode ser difícil pensar a lógica de apresentação dentro dos capítulos, muitas vezes é possível apresen…

Referências no texto acadêmico

Antigamente, colocava-se ao fim de cada trabalho escrito uma bibliografia. Com advento de novas mídias, passou-se a usar o termo referências bibliográficas para a listagem de obras consultadas. Atualmente, a recomendação é usar apenas a expressão referências, pois elas pode ir bem além das obras livrescas. Mas ainda se deve se distinguir o que normalmente se confunde: Referências são o conjunto de indicações que possibilitam a identificação de documentos, publicações, no todo ou em parte. Referência: “‘Nota informativa de remissão’ (em publicação); ‘fonte de esclarecimento’ (para o leitor)” (AURÉLIO). Bibliografia é o conjunto de obras (livros) pesquisadas a que o leitor pode recorrer para aprofundamento sobre o assunto do trabalho. “Documento que apresenta lista de referências bibliográficas, usadas em ordem alfabética, relativas a um ou mais assuntos. Parte de uma obra na qual se listam as referências bibliográficas de obras recomendadas para leitura complementar” (AURÉLIO). Em geral…