Serviço profissional de formatação e revisão de teses e dissertações

Por que contratar um profissional para a revisão e formatação de dissertação ou tese?

Alunos de doutorado e mestrado enfrentam dezenas de obstáculos para obter o título almejado, incluindo a obtenção da aceitação final de suas dissertações por funcionários da universidade. Doutorandos e mestrandos, frequentemente, devem fazer modificações em seus textos, até mesmo após a aprovação do trabalho pelo orientador, para eliminar problemas de gramática, conformidade de estilo e formatação. Completar essas alterações pode ser demorado e frustrante, especialmente quando os candidatos devem cumprir prazos para depósito do texto final.
A formatação e a revisão feitas por nós são garantias de qualidade.
Revisão e formatação
profissionais agregam
valor a todo texto.
Quando doutorandos e mestrandos contratam os serviços de editores profissionais (revisores e formatadores) para executar as revisões finais, asseguram-se de que seus trabalhos estarão livres dos problemas linguísticos e técnicos que resultam em atrasos na obtenção do diploma. A finalidade dessa postagem é apresentar o processo de edição, os tipos de serviços de edição disponíveis e os benefícios da contratação de revisores e formatadores profissionais.

Por que contratar um revisor profissional?
A tese bem-sucedida, assim como a dissertação, é produto de quatro fatores conjugados: tempo e custo, controle de estresse, impacto na carreira e experiência acumulada e demonstrada.

Tempo e custo dos estudos

A vida dos alunos de doutorado é complexa. Cerca de 40% são casados, e algo como 30% dependem de bolsas de estudos. Esses estudantes devem investir quantidade significativa de tempo do já lotado calendário de atividades e programações em assistir a aula, estudar e fazer pesquisas. Eles devem equilibrar os elevados custos de seus programas de pós-graduação com as despesas normais de manutenção de casas e famílias – muitas vezes somam-se também os gastos com viagens e estadia fora de seu domicílio. Eles também devem atender aos prazos para apresentação para garantir os financiamentos e o acesso a cursos de mais elevado nível ou ascensão na carreira. Tudo aqui se resume a tempo e dinheiro.
Se atrasar para completar o curso, tudo vai ficando mais caro, as bolsas se extinguem, assim como a paciência dos orientadores. A despesa média de um doutorado para estudantes em tempo integral é excruciante – e suas rendas, frequentemente, não acompanham os custos envolvidos. Ter que cumprir créditos e trabalhar na pesquisa e na redação, incluindo suas revisões, só aumenta o custo.

Estresse da pós-graduação

Estudos recentes apontam a estreita relação de cursar um mestrado ou doutorado com fadiga emocional. Além das limitações de tempo, pressões financeiras e ambiente da pós-graduação, diversos outros fatores contribuem para o estresse do estudante; como muitos estudantes de pós-graduação são superdotados clássicos, criam ciclos de perfeccionismo que resultam em exaustão e fadiga emocional – o que também é incrementado pela natural competição por notas, publicações, estágios e financiamentos.
Estando tão perto a defesa da dissertação ou tese, doutorandos e mestrandos podem sentir estresse extremo quando se faz necessário repassar mais uma vez e corrigir seus textos por causa de problemas relativos à gramática, estilo e formatação. Esse estresse acentuado pode levar a baixa produtividade, redução da qualidade do texto, erros elementares e, até mesmo, agressividade ou depressão. Apressar-se no processo de reescrita de segmentos do texto e em detalhes da formatação para cumprir prazos de depósito do trabalho pode causar nos textos erros de toda sorte, resultando na necessidade de mais edição e revisão. O processo é circular e leva à frustração, novo bloqueio à produção.
Impacto na carreira
Ter que reescrever o texto pode levar a atrasos no emprego, dificultar aumentos de salário ou postergar promoções. A maioria das pessoas procura doutoramento para cumprir seus objetivos de carreira. A conclusão dos projetos pesquisa e a obtenção do grau são muitas vezes necessários à realização de avanço com o atual empregador ou para obter uma posição com uma entidade patronal diferente. Atrasos na aceitação final e frustração com o sistema ainda podem ser suficientes para levar alguns estudantes a abandonar seus objetivos de trabalhar na academia, mesmo se forem concluídas com êxito as defesas.
Dissertações, muitas vezes, são as primeiras publicações importantes para os profissionais. Qualquer pessoa que lê uma tese de doutorado ou dissertação de mestrado recebe uma impressão distinta do escritor: como essa pessoa pensa, analisa, sintetiza, atende ao detalhe, tira conclusões e manipula a expressão escrita. Portanto, o texto deve ser uma representação clara de quem é essa pessoa profissionalmente, tanto em termos de conteúdo, habilidades de conhecimento, capacidade produtiva e comunicação.

Especialização necessária à revisão acadêmica

Para revisar uma dissertação com êxito, deve-se ter:
  • conhecimento profundo de português formal (gramática, ortografia, pontuação, sintaxe… tudo, enfim!); 
  • proficiência completa em escrita acadêmica (estrutura das frases, organização do parágrafo, transições, organização geral, voz, tom, gênero discursivo, escolha de palavras);
  • familiaridade com o manual de estilo exigido (APA, Chicago, MLA, Turabian, AMA, ABNT);
  • familiaridade com as exigências da instituição a que o texto se destina, para formatação e estilo.

O problema que se apresenta

Apresentar uma dissertação ou tese corretamente editada pode resultar em estresse extremo e fadiga emocional – são muitas as circunstâncias que levam a isso, como já mencionamos. Perdendo os prazos, os candidatos podem ter taxas adicionais a pagar para continuar inscritos no programa. Podem perder as bolsas. Eles podem enfrentar cancelamentos de propostas de carreira, especialmente se defesa for adiada. Por causa de seus traços de perfeccionistas, doutorandos podem resistir à procura de ajuda de recursos externos para minimizar essas repercussões. No entanto, identificar formas éticas e adequadas para economizar tempo e dinheiro, e para reduzir o estresse, é essencial para a conclusão bem-sucedida do doutorado ou mestrado.
O processo de revisão e formatação
História. A revisão e formatação de textos é quase tão antiga quanto a própria comunicação. Por milênios, pessoas tiveram seus documentos lidos por terceiros para garantir a clareza, exatidão, completude, consistência e concisão da sua escrita antes da publicação.
A revisão moderna ocorre em vários níveis. Indivíduos rotineiramente reescrevem seus documentos ou pedem a parentes, amigos ou colegas para olhar seu trabalho. As empresas de comunicação e casas editoras, contrataram revisores rotineiramente, para serviço interno ou externo: todo documento para ser compartilhado publicamente deve ser revisado. Profissionais acadêmicos usam serviços de revisão para assegurar os padrões elevados de artigos, teses e livros. Estudantes de pós-graduação, completando suas teses e dissertações, procuram revisores para seu trabalho entre os melhores profissionais do ramo.
Com a introdução do computador pessoal, a Internet e softwares adequados, a revisão e formatação entrou em sua fase recente. Usando ferramentas tais como o recurso “Controlar alterações” no Microsoft® Word®, revisores podem corrigir erros e sugerir alterações e supressões – sem risco de comprometer o sentido, pois tudo volta aos olhos do autor. Embora muitos revisores ainda trabalhem com documentos em papel físico, a edição eletrônica tornou-se o método praticamente imposto a teses e dissertações, em virtude da facilidade de comunicação e para poupar tempo e dinheiro.

Tipos de revisão e formatação

Em seu sentido mais amplo, revisão é a interferência em um documento para publicação (defesa ou impressão) pela correção de erros e sugestões para garantir precisão e clareza. Vários níveis de revisão podem ser utilizados, dependendo da qualidade do documento: revisão de textos, copydesk, revisão substantiva e revisão crítica. Cada tipo é mais complexo e aprofundado que o anterior, mas o que está contido em cada uma delas não é muito bem definido; nós trabalhamos com o conceito de revisão acadêmica que, simplificadamente, significa que faremos todo tipo de interferência resolutiva que for necessária e apresentaremos as sugestões que entendermos agregar valor e legibilidade ao texto.
Alguns alunos do doutorado possuem as habilidades e conhecimentos linguísticos aprofundados e se propões a autorrevisão, visando evitar custos e discrepâncias. No entanto, depois de trabalhar com uma peça por meses, os autores estão tão familiarizados com ele que não podem encontrar todos os problemas que estão presentes. Esse problema ocorre devido a capacidade mental para completar os padrões. Passagens complicadas fazem sentido porque o candidato sabe o que o texto quer dizer. Simples erros mecânicos são ignorados, porque a mente “vê” a fórmula correta na página impressa ou na tela do computador. Assim, quando os candidatos tentam autorrevisar seu trabalho, eles sempre deixam passar erros críticos.
Alguns indivíduos também acreditam em corretores ortográficos eletrônicos e verificadores de gramática. No entanto, eles não apontam problemas com escolhas de palavra apropriada. Verificadores de gramática, às vezes, dão informações incorretas, tais como identificação de sentenças complexas como fragmentos e indicando problemas de concordância verbo-nominal que não existem.
Os candidatos podem pedir por favor ou pagar a amigos ou colegas para revisar os trabalhos. Esses indivíduos podem ser bons em português, professores ou trabalhar em campos relacionados. Eles podem ser reconhecidos por seus conhecimentos de escrita.
Usando este tipo de auxílio, podem-se obter segundas opiniões e novas perspectivas. No entanto, a menos que eles sejam treinados o em problemas com estilo e formatação, erros ainda podem ser negligenciados. Além disso, existe a dificuldade em manter esses indivíduos responsáveis pela qualidade de seu trabalho. Os amigos e prestadores de favor podem também ser incapazes de cumprir os prazos.

Serviços de formatação profissional

A formatação da tese, bem como da dissertação, pode ser feita pelo próprio autor, ou por editores profissionais – contratar o serviço é completamente lícito e até estimulado por bons orientadores. Todavia, formatar profissionalmente requer conhecimento dos programas editores de textos mais aprofundados. Normalmente, os escritores só conhecem o básico do programa de editoração, não sendo capazes de utilizar uma série de recursos necessários à formatação, como criação de índices, tabelas, trabalho com imagens, paginação e uma miríade de detalhas que farão toda a diferença na apresentação visual do trabalho e no rigor normativo requerido.
Os revisores e formatadores profissionais trabalham com um cliente de cada vez. Revisores autônomos podem ser encontrados através sites ou por recomendação de quem já usou os serviços deles. Empresas de revisão e formatação têm diversos funcionários e, muitas vezes, o trabalho passa por vários deles, cada um especializado em um aspecto do serviço. Essas empresas distinguem-se com base nos tipos de obras em que são especialistas, as qualificações dos seus revisores, sua capacidade de cumprir prazos apertados e a gama de serviços adicionais que fornecem.

A solução para a finalização da tese

Para economizar tempo e dinheiro e reduzir o estresse, doutorandos devem considerar empregar um serviço profissional de revisão e formatação para o depósito final. Os editores profissionais têm as habilidades e conhecimentos necessários para completar esses trabalhos satisfatoriamente e garantir a qualidade do texto e da apresentação gráfica. 

Os benefícios da contratação de revisores e formatadores

Trabalhando com um profissional respeitável de edição, os doutorandos e mestrandos têm diversos benefícios.
  1. Reduzir o estresse. Os candidatos podem continuar com as outras prioridades em suas vidas sem as pressões de encontrar tempo para editar;
  2. Economizar dinheiro. Sim, os custos dos serviços de revisão de boa qualidade são elevados, mas o resultado é sempre positivo. Certamente haverá ganho de tempo e liberação do estudante para seus outros deveres profissionais. Investimento que resulta em economia. Contratar um serviço barato pode indicar que ele não seja tão profissional, e ocorre de ser necessário contratar outra pessoa para refazer a revisão! Pagar uma vez só é economia.
  3. Garantir de qualidade. O doutorando não precisará se preocupar com as minúcias da edição, sabendo que os revisores e formatadores são qualificados, experientes e competentes na língua, escrita acadêmica e formatação.
  4. Paz de espírito. Sabendo que a dissertação está em boas mãos e que a empresa vai cumprir prazos e corrigir quaisquer problemas que possam surgir para garantir a dissertação pode trazer uma pausa bem-vinda das pressões de terminar o programa.

Para ler outras postagens que podem te interessar, passe o mouse pelas imagens abaixo!